Política Cultural

POLÍTICA CULTURAL

Todos os povos geram uma cultura própria, reflexo das suas idiossincrasias. Na actualidade, aqueles que se reclamam do multiculturalismo querem apenas a destruição de todas as culturas reduzindo-as à amálgama informe da ideologia do mercado e do consumo. A conservação do insubstituível legado cultural que nos foi deixado pelos nossos antepassados é um dos nossos objectivos primordiais.

Por isso propomos:

– A defesa e promoção da cultura Nacional e Europeia. Consequentemente a literatura, a música, a pintura, a escultura e outras artes, serão incentivadas pelo Estado que terá a obrigação de garantir a todos os seus cidadãos, independentemente do seu nível socioeconómico, o acesso às manifestações culturais do nosso Povo. Da mesma forma terá o Estado a obrigação de se opor à promoção e manifestação das tendências decadentes e anti-naturais de uma boa parte da arte moderna.

– O estabelecimento de quotas mínimas obrigatórias, nos canais televisivos e estações de rádio, para as produções musicais e audiovisuais portuguesas.

– A transformação efectiva da RTP 2 num canal puramente cultural, afastado da lógica comercial, vocacionado para a exibição e produção de todas as formas artísticas ligadas ao domínio do audiovisual.

– Impõe-se no domínio da produção audiovisual uma revisão da política de subsídios que actualmente, é claramente influenciada pelos lóbis que actuam no sector. Sendo assim ela deverá ser orientada em duas direcções: por um lado, o investimento em produções audiovisuais (cinema e música) que reflictam referências identitárias elementares dirigidas a um público mais alargado e, por outro lado, a criação de uma produção audiovisual mais complexa destinada a um público mais exigente e mais formada intelectualmente.

– A atribuição dos fundos necessários para que a rede museológica nacional possa conservar e tornar acessível aos Portugueses todo o património que alberga.

– Apoio às associações e indivíduos que na área etnográfica se dedicam à recolha e estudo de todas as tradições da cultura popular.

– Defesa e implementação das sãs tradições populares que reflictam tradições marciais/viris do nosso Povo: jogo do pau, largadas de touros, etc, etc.

– A imediata e incondicional revogação do Acordo Ortográfico de 1990, verdadeiro acto de neocolonialismo cultural que atenta contra a nossa soberania.

– O MSN reconhece a liberdade religiosa pois considera a espiritualidade como algo próprio do Ser Humano. Todas as confissões religiosas terão o direito de liberdade de propaganda e de culto desde que assumam o compromisso de não atentarem contra os fundamentos do Estado Nacionalista e de não se imiscuírem na esfera política.

Anúncios